Meritocracia

Nesta matéria, o autor trata de um assunto de grande importância no contexto de uma organização que busca alcançar padrões de excelência empresarial e se tornar uma empresa de classe mundial – a meritocracia.

O texto a seguir foi produzido especialmente para os empregados dos Correios.

A importância da meritocracia numa empresa.

Por Marcos César Alves Silva
Analista de Correios

Nos primórdios da criação do Banco Postal, tive oportunidade de conhecer alguns executivos do Bradesco incumbidos da montagem da parceria. A experiência foi muito interessante porque, embora distintas em sua natureza – uma estatal de um lado e uma empresa privada de outro – as duas organizações possuíam muitos traços comuns, um dos quais era o fato de ambas contarem nas respectivas equipes com profissionais de carreira que tinham exercido inúmeras funções ao longo de sua vida profissional.

Essa experiência me mostrou o quanto é importante para uma empresa a valorização da “prata da casa”, ou seja, o desenvolvimento dos trabalhadores para irem galgando posições até o topo da empresa. 

Um de nossos interlocutores – o Odair – materializa bem isso. Era, à época, um Diretor que começara como escriturário e galgara progressivamente posições na hierarquia do banco até chegar à posição que se encontrava. Soube que, alguns anos à frente ele foi promovido a Vice-Presidente, antes de se aposentar, coroando uma carreira de dedicação à empresa onde trabalhou a vida toda.

Como o Odair, conheci vários outros trabalhadores com histórias semelhantes. Fazia parte da cultura do banco ter supervisores, gerentes, diretores e vice-presidentes formados dentro da organização e isso era sempre visto como motivo de orgulho para todos por lá.

Pude perceber, também, que para ascender nas carreiras, os trabalhadores precisavam ter desempenho destacado, fruto de esforço, dedicação e competência.  E é normal a velocidade de ascensão não ser a mesma para todos. Assim, a oportunidade de chegar a uma das posições de direção do banco estava aberta a qualquer empregado, mas todos sabiam que cada degrau conquistado nesse caminho teria uma motivação e significaria muito empenho e até o sacrifício de outras atividades para garantir foco no trabalho.

Regras de meritocracia simples, claras e compartilhadas, mantidas ao longo dos anos certamente constituíram uma das razões de o Bradesco ter hoje uma posição de destaque entre as maiores empresas brasileiras e ser admirado e respeitado como instituição.

O tema meritocracia às vezes é trazido à discussão como algo ruim, nocivo aos trabalhadores. Não penso assim, afinal um ambiente onde as regras sejam claras, as chances iniciais sejam as mesmas e onde os que se empenham mais sejam reconhecidos e promovidos é muito normal e saudável.

Nocivos e ruins são os ambientes onde se constroem atalhos para beneficiar uns em detrimento de outros, onde o desempenho é irrelevante como critério de ascensão profissional e onde os técnicos formados na empresa não recebem o devido reconhecimento de seus esforços profissionais e, por isso, não enxergam perspectiva em suas carreiras. Em ambientes assim, falta claramente uma presença indispensável – a meritocracia.

Para finalizar, é sempre importante lembrar que a meritocracia é um dos valores estabelecidos na identidade corporativa da Empresa, e, como tal, deve estar sempre presente em nossas ações. 

25 comentários:

  1. Alguém tem que avisar esta empresa que ELOGIO não é a meritocracia tão esperada pelo empregado.A nossa parte queremos em dinheiro. Sou técnico e vivo o cenário exposto pelo colega que repito abaixo, cenário este em que vive o ecetista:

    Nocivos e ruins são os ambientes onde se constroem atalhos para beneficiar uns em detrimento de outros, onde o desempenho é irrelevante como critério de ascensão profissional e onde os técnicos formados na empresa não recebem o devido reconhecimento de seus esforços profissionais e, por isso, não enxergam perspectiva em suas carreiras. Em ambientes assim, falta claramente uma presença indispensável – a meritocracia.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente na nossa empresa a situação não é tão clara e ainda pesa muito os critérios pessoais frente aos profissionais.

    ResponderExcluir
  3. A meritocracia é muito importante quando reconhece o esforço profissional de um funcionário. É desmotivante e injusto quando o "pune" por não alcançar resultados, quando estes não são claros e/ou sem critérios bem definidos, informados e dentro da realidade de cada órgão.

    ResponderExcluir
  4. Apoio amplamente a meritocracia, no entanto a empresa ainda não conseguiu atingir o esperado....há muitos colaboradores treinados, com bagagens que custaram muito aos cofres das empresas e que na hora de dar o retorno a mesma, por questões políticas ficam engessadas e improdutivas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com a opinião da colega. Os técnicos e profissionais de nível superior estão relegados ao ostracismo na organização.Qualificação profissional,aperfeiçoamento,graduações e resultados não são requisitos essenciais para ascensão na carreira ou ao menos manutenção da carreira.

      Excluir
  5. Meritocrtacia só existe para alguns e poucos que conseguem por questões pessoais do que profissionais. Tive me minha vida profissional muitos elogios que não traduziram em nada na minha vida profissional. Falta transparência, falta bom-senso, falta critério, falta conhecimento, falta capacitação, etc....daqueles que promovem ou indicam os promovidos. Pessoas assim, acabam com sonhos, destroi vidas profissionais sem se importar os objetivos de cada um. O que caminha na empresa e o toma lá da cá. Talvez um dia isso acabe ou termine mas não estarei aqui para ver isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não esta sozinho nessa colega. De nada adianta a qualificação e os resultados...

      Excluir
    2. Tenho claro que a empresa está nesta situação por causa dos gestores, por isso a avaliação da gestão foi tão baixa. E mais, por causa dos gestores e por causa dos amigos dos gestores. Eu pergunto: e o gestor que não faz alinhamento estratégico, desdobramento de metas, planos de trabalho o que ele é? Gestor? E as consequências só do baixo desempenho são somente para a empresa e para a equipe? E a responsabilidade por estas consequências? Porquê não? O motivo está porque a empresa continua a pisar em ovos para não interferir no campo político... Continuamos assim!

      Excluir
  6. Concordo com os colegas, Meritocracia só existe para alguns. Vivenciei em minha vida profissional isso. Comecei há 31 anos na empresa como Opr. de Teleimpressor e fui em busca de conhecimentos, me formei em Adm, sou pós graduada com especialização em MBA em Gestão de Recursos Humanos,passei por vários setores na empresa, onde fiz RI para Gestora da unidade e vários exames (Analise de perfil entre outros) e hoje me disseram que devido não alcance de Metas seria necessário fazer um ajuste onde alegaram a minha transferência por necessidade de serviço para um outro setor. Sendo que de nada adianta você se capacitar se hoje existe o QI e não RI. Sempre procurei e incentivei os colaboradores a se capacitarem a fazerem EAD/PAD e ouros cursos que existem na grade de cursos da UNICO, mas com isso que aconteceu, foi uma decepção para todos. Nossos lideres destroem a vida profissional daqueles que tentam profissionalmente crescer. Isso é Meritocracia????

    ResponderExcluir
  7. a meritocracia é a grande PIADA da ECT!!!!

    tem um monte de gente antiga com função que não faz nada e um bando de gente sem função segurando as pontas. realmente não sei até onde isso vai, não aguento mais ser insultado com essa conversa de meritocracia se nem a progressão de carreira está garantida, não pense que não percebemos que queriam botar nosso anuênio pra ajudar a completar a inflação do período na primeira proposta do ACT. Dirigentes da empresa, se estão tão interessados no bem estar dos empregados abram mão de todos os apadrinhados nos cargos e das funções altas, vamos dar os cargos para quem os mereçam de fato e distribuir o bolo das funções mais democraticamente.
    to vendo a hora em que a desilusão se abaterá sobre os empregados que seguram o piano e não são reconhecidos. se eles entenderem que se pararem de carregar o fardo vão chamar a atenção para a incompetência dos que não fazem nada, tenho medo do dia em que cada um fizer só a sua parte, pois hoje o que acontece é que para vermos os trabalhos concluidos fazemos a nossa parte a parte do colega do lado a parte do colega do outro setor e as vezes até a parte dos nossos chefes e gerentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente. Eu mesma sou exemplo disso! Depois de 07 anos de dedicação à área atual, estou simplesmente desiludida e frustrada. Pensei que o meu comprometimento, dedicação e responsabilidade com o trabalho, muitas vezes, fazendo a parte do outro que "tem função", poderia contribuir para alcançar uma possível promoção... mas, nada disso! Simplesmente não fui aprovada na "análise de perfil". Pois é! Hoje o meu perfil realmente mudou, não tenho mais motivação alguma para continuar onde estou e, inclusive, já pedi transferência para outra área. Tapinhas nas costas e elogios, também já recebi muitos, mas o que eu gostaria mesmo é de ter o reconhecimento da empresa. Ao invés disso, vejo pessoas "não tão comprometidas" alcançando função de confiança, tudo pelo QI (Quem Indica). Desmotivante!

      Excluir
  8. o pior de tudo isso é você ser formado em Administração, cursar pós-graduação em Gestão Pública e ao ser convocado para analise de perfil em RI de coordenador (no qual você foi eventual de tres coordenadores) deparar com seu ex gerente, no qual nem conversava com você direito (sendo que o mesmo trancou matricula no segundo semestre da faculdade, após realmente aprovado como gerente) e o mesmo, juntamente com a banca, alegar que você nao tem perfil e falta competencias para a função, isso demonstra o apadrinhamento e influencia de pessoas nos sistemas demagogos de avalição profissional que o correio implantou em seus processos, a etica e a transparencia passaram longe desses setores no qual sofrem interferencia direta de gerentes, politicos e demagogos hipocritas.

    ResponderExcluir
  9. Caro Marcos César, é uma pena que você não tenha coragem de esclarecer a verdade de nossa empresa, aqui diferente do apresentado no Bradesco, prevalece os favores políticos e as amizades interesseiras, são os antigos currais com seus coronéis que existiram e existem em nosso Brasil, falar em meritocracia nos correios ainda é um assunto que ocorre apenas nas folhas de papel, pois as práticas e os acontecimentos existentes demostram outra realidade.

    Respeitosamente:
    Teixeira

    ResponderExcluir
  10. Teixeira, o artigo aborda a questão em sua forma conceitual, com a exemplificação de um caso em que a meritocracia nos pareceu aplicada sistematicamente. Ao mencionar boas práticas, procuramos mostrar que essas são plenamente possíveis.
    Defendemos, desde o estabelecimento da atual identidade corporativa, a meritocracia como um dos valores da Empresa e lutaremos para que esse valor passe efetivamente a fazer parte de nosso cotidiano. Quem sabe possamos mais à frente mencionar nossa Empresa quando formos escrever outro artigo sobre este tema.
    Sugerimos a leitura da postagem "2014", onde mencionamos meritocracia.

    ResponderExcluir
  11. Prezado Marcos César, votei em sua chapa, fiz campanha para sua chapa, e como funcionário com 20 anos de empresa conheço inúmeras situações que comprovam a inexistência de meritocracia em nossa organização, até quando o sol será tapado com a peneira para esse assunto e falaremos disso com se aqui existisse.

    Talvez um choque de realidade no conselho onde você atua pudesse surtir algum efeito futuro, desculpe-me pela sinceridade pois, abomino a enganação e a mentira.

    Respeitosamente;
    Teixeira

    ResponderExcluir
  12. Teixeira, Obrigado pela confiança. No Conselho e em diversos outros ambientes, o tema é sempre presente. Sempre procuramos lembrar aos que nos ouvem que a Empresa possui excelentes trabalhadores para ocupar bem todas as posições de gestão, inclusive de direção superior. Sempre combatemos a politização das escolhas de lideranças - um grande mal, que corrói por dentro as organizações que são submetidas a isso. É uma luta a ser empreendida por todos os que acreditam que a meritocracia deve estar entre nossos valores, deve integrar nossa identidade corporativa. Acredito firmemente nisso e não há um único dia em que esse tema não nos chegue de alguma forma.
    O debate do tema, propiciado pelo blog, é mais uma forma de lançar luz sobre a questão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezados, mudanças não se faz apenas com palavras mas com ação...instruo os a lerem o artigo da revista veja que fala sobre o sistema adotado ´pela Nova Zelandia na escolha dos dirigentes em empresas publicas naquele país que é considerado o menos corrupto e corporativista do mundo. Algo exemplar e realizado por empresas externas na administração do RH e da seleção...não há intervenção partidária ou politica...Estimado Marcos Cesar como nosso representante peço que leia o artigo e se possível apresente ao Conselho para acabar com esse sistema que vem sendo adotado em todas as regionais e não somente em SPI e RS conforme o seu informativo...

      Excluir
  13. Marcos César, a GUERRA está declarada nessa organização; de um lado os profissionais que estudaram, apostaram em um projeto de vida, gastaram seus preciosos dias de vida em busca do conhecimento e do outro, aqueles que não estudaram (nem o 2º grau); passaram a vida toda jogando bola, tomando sua cerveja, fazendo política contrárias aos interesses da organização, respondem processos administrativos graves e tudo mais que nunca agregou nada. Nesse cenário, você sabe quem está ganhando, e essa conversa de MERITOCACIA na ECT de hoje é só para gente como nós sermos ridicularizados por aqueles que no jargão popular se denomina "Ratos de Porão".

    ResponderExcluir
  14. Trabalho a 31 anos na Empresa, sempre ouvi falar em Meritocracia, mas o que conheci na realidade foi "panelinha", sempre que tinha alguma indicação para funções era escolhido aquele que jogava bola com o chefe, que bancava as rodadas de cerveja, ou porque era tão grande amigo do superior. Hoje ficou pior ainda, o mérito está sendo distribuido aos políticos, é só ser filiado no partido do governo que ja tem vaga garantida nas funções de liderança. Vergonha! Que venha logo PDIA, tô indo embora, antes que os políticos afundem de uma vez esta Empresa.

    ResponderExcluir
  15. Regina Célia de Souza Pinholi14 de abril de 2014 09:04

    Concordo plenamente com todos vocês, na nossa empresa MERITOCRACIA é só para os filiados em partidos políticos, para os demais não existe mérito. Infelizmente estamos vivendo uma época de desmotivação não adianta você se desdobrar para cumprir suas metas , pois na hora do reconhecimento quem recebe são aqueles que nada fizeram , que não tinham nenhum comprometimento com a Empresa e hoje estão lá, no topo. Muito triste.
    Regina Célia de Souza Pinholi - rpinholi@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  16. Quem acredita nos correios, acredita também em papai Noel e duende! A não ser que se vá chafurdar em algum partido politico, seu futuro será não ter futuro algum! Bem que se poderia mudar o CNAE para fabrica de desilusões!

    ResponderExcluir
  17. Meritrocacia??? O que é isto. veio de marte, jupiter, nossa!!!! Acreditar que algum dia alguém será reconhecido pelo trabalho, será um milagre, reconhecimento só tem principlamente aqui na DR os amiguinhos dos politiqueiros, aqueles que tem tempo para ficar puxando, tudo esta acabando e ninguém faz nada, agência e CDDs deteriorados, insalubridade, e outros e ainda falam de Meritrocacia?Caros colegas, acordem desse sonho, pois já virou pesadelo, sem alguém um dia encontrar com esta tal meritrocacia pessa para passarem por aqui também, mas até lá correm se o risco de o mundo acabar, como diza a vovó a galinha criar dente, quem sabe assim ainda estará nessa fila para acontecer a meritrocacia.

    ResponderExcluir
  18. Triste enxergar uma empresa como a ECT com tantos técnicos capacitados e hoje deixados de lado com prospecção nenhuma de crescimento profissional ou até mesmo de colaboração, estão isolados, porque o que predomina é indicação política.

    ResponderExcluir
  19. Infelizmente a questão de Meritocracia da Empresa, ficou somente no papel como Valores que não existem na prática. A falta de politica de ascensao funcional, carreira, reconhecimento dos profissionais, fica natural e caótico a busca desenfreada da famosa ITF no ambito da Empresa por parte dos alguns Gestores. Ao inves do reconhecimento da Empresa, acaba "encostando" o profissional numa estação de trabalho, com trabalhos de agente administrativos. Com essa pratica colocando um substituto sem critérios e perfis para determinadas posições da Empresa, por mera indicações politicas.

    ResponderExcluir
  20. Sras. e Srs.
    Abaixo demonstramos duas definições, senão as mais importantes, para Meritocracia.
    Infelizmente, hoje nos Correios com esse aparelhamento político, as definições foram rasgadas e jogadas no lixo.
    Os conchavos e falcatruas que permeiam nossa Empresa, tão solidificada pela credibilidade popular, não esquecer que por diversas vezes em pesquisa de credibilidade, perdemos apenas para a instituição "Família", estão pulverizando o patrimônio conquistado.
    Passamos a ser meramente comitês partidários, onde os gestores do alto escalão caem de paraquedas, deixando, além do rombo na folha para seus pagamentos, o questionamento se no quadro de empregados não existem pessoas qualificadas para exercer essas funções.
    Nos faz parecer idiotas sob o comando de quem conduz a empresa apenas voltados a seus interesses particulares.
    Tomara que a sociedade como um todo, tome conhecimento desse desrespeito ao senso comum e encontre meios de sairmos dessa mesmice.



    Meritocracia (do latim mereo, merecer, obter) é a forma de governo baseado no mérito. As posições hierárquicas são conquistadas, em tese, com base no merecimento, e há uma predominância de valores associados à educação e à competência.
    Sistema (educacional ou administrativo) em que os mais dotados ou aptos são escolhidos e promovidos conforme seus progressos e consecuções; sistema onde o mérito pessoal determina a hierarquia.

    ResponderExcluir